Remedios naturais variedades noticias midias saúde

Menu

Widgets

Translate this Page
Ultimas Atualizações
saúde natural  (03-03-2020)
ultimas noticias  (02-03-2020)
Feliz na CCB  (02-03-2020)
oportunidades
cresça como empreendedor
Invista em Oportunidades
cresça
Desenvolva
Como começar a ganhar
Ver Resultados

Rating: 2.9/5 (246 votos)


ONLINE
2





O que foi o AI-5

O que foi o AI-5

O que foi o AI-5? Entenda o decreto que endureceu a ditadura militar

 

 

 

Divulgo o pensamento do General Rocha Paiva. Profissional dotado de enorme capacidade de liderança, estudioso das questões relacionadas ao Foro de São Paulo. Que seu pensamento sirva de reflexão àqueles brasileiros que se preocupam com a nação. FORÇA!

AQUI NÃO É COMO LÁ, NEM ACOLÁ

General da Reserva Luiz Eduardo Rocha Paiva

A turbulência política na América Latina, principalmente no Chile, Venezuela, Bolívia e Equador dá motivo a justificadas preocupações. Não está claro o que pode estar por trás desses acontecimentos. Seria uma ação orquestrada por movimentos internacionalistas da esquerda socialista marxista, um deles o Foro de São Paulo? Tudo indica que sim.

O Brasil não é igual à nenhum desses países. Aqui, sempre houve um Poder Moderador com tremenda autoridade moral.

Não somos como lá, nem acolá. Entenderam, PT, PCdoB, PSol e outros? Então, tenham em mente que:

1. Embora não o seja de direito, o Exército Brasileiro ainda é, de fato, o "Poder Moderador".
2. Ele jamais permitirá que inimigos internos, tal qual grupos radicais e partidos revolucionários destruam a União, promovam uma guerra civil e implantem um regime socialista liberticida nos moldes bolivarianos.
3. Se os Poderes da União, por si próprios, criarem um cenário de anomia e insegurança jurídica, pela perda de autoridade moral e funcional, em virtude de decisões politicamente irresponsáveis, o Exército irá restabelecer a paz social e impedir uma guerra civil. Nesse caso, seria legítimo atuar no limite da legalidade, ainda que fosse questionado por alguns segmentos da sociedade.
4. Considerem-se inseridas no alerta do item 3. além daqueles partidos, as lideranças corruptas nos três Poderes da União.

Omissão, inércia no EB? Isso seria trair o compromisso maior do soldado: "dedicar-me inteiramente ao serviço da Pátria, cuja honra, integridade e instituições, defenderei, com o sacrifício da própria vida".

Diante de situações que possam comprometer terrivelmente o futuro da nação, chefes militares se veem diante de um dilema e de um desafio moral. Disciplina ou lealdade? Em absoluto! Nesses casos, não há dilema, pois a maior demonstração de disciplina é a lealdade à Pátria, conforme o compromisso que o soldado com ela assumiu ao entrar para o seu serviço. O compromisso é com a Pátria e não com indivíduos, grupos ou partidos de qualquer natureza.

Se lideranças poderosas usam a lei para se proteger em suas ações criminosas e lograr interesses extremamente danosos para a nação; e se a sociedade constata que o arcabouço juridico não permite coibir esses abusos, será condição de vida ou morte, para o país, promover uma " intervenção cirúrgica" na própria lei, a fim de extirpar os "tumores que estejam contaminando a lei". Só assim, a sua legitimidade será restaurada, isto é, neutralizando os que a desonravam.

O Brasil tem dois inimigos internos - o socialismo marxista gramcista e a liderança patrimonialista corrupta. Ambos são tumores em estado adiantado e poderão levar o país a vivenciar o caos político e social de nossos irmãos latinoamericanos.

Ou o "organismo nacional" reage por si próprio ou o Exército terá que exercer, pacificamente, o Poder Moderador. Ou ainda, como última opção, embora mais grave e menos desejável, liderar aquela "equipe cirúrgica" , a fim de defender a paz social, impedir a guerra civil, garantir o prosseguimento da Lava Jato contra a corrupção, restabelecer a lei, a ordem e garantir o rumo do país a uma verdadeira democracia.

Nossa democracia não existirá enquanto a lei proteger os seus inimigos, sejam os que querem destrui-la, sejam os que abusam do poder político para usurpar os recursos nacionais para si próprios.

Este ato institucional foi apresentado à população brasileira em cadeia nacional de rádio e foi lido pelo então ministro da justiça, Luís Antonio da Gama e Silva. Contava com doze artigos e trazia mudanças radicais para o Brasil. Por meio desse decreto, foi proibida a garantia de habeas corpus em casos de crimes políticos. Instituído logo após a Câmara dos Deputados decidir manter imunidade parlamentar de Márcio Moreira Alves (MDB), decisão que d

O que foi o AI-5? Entenda o decreto que endureceu a ditadura militar


esagradou o regime militar, que pretendia processá-lo, o AI-5 teve seus efeitos percebidos logo. O Congresso foi fechado, e presidente Juscelino Kubitschek, levado para um quartel em Niterói (RJ), onde permaneceu preso por vários dias. O g... - Veja mais em 

 

Este ato institucional foi apresentado à população brasileira em cadeia nacional de rádio e foi lido pelo então ministro da justiça, Luís Antonio da Gama e Silva. Contava com doze artigos e trazia mudanças radicais para o Brasil. Por meio desse decreto, foi proibida a garantia de habeas corpus em casos de crimes políticos. Instituído logo após a Câmara dos Deputados decidir manter imunidade parlamentar de Márcio Moreira Alves (MDB), decisão que d

O que foi o AI-5? Entenda o decreto que endureceu a ditadura militar


esagradou o regime militar, que pretendia processá-lo, o AI-5 teve seus efeitos percebidos logo. O Congresso foi fechado, e presidente Juscelino Kubitschek, levado para um quartel em Niterói (RJ), onde permaneceu preso por vários dias. O g... - Veja mais em 

 

O que foi o AI-5

 

O AI-5 (Ato Institucional número 5) foi o quinto decreto emitido pelo governo militar brasileiro (1964-1985). É considerado o mais duro golpe na democracia e deu poderes quase absolutos ao regime militar. Redigido pelo ministro da Justiça Luís Antônio da Gama e Silva, o AI-5 entrou em vigor em 13 de dezembro de 1968, durante o governo do então presidente Artur da Costa e Silva.

 

O AI-5 foi uma represália ao discurso do deputado Márcio Moreira Alves, que pediu ao povo brasileiro que boicotasse as festividades de 7 de setembro de 1968, protestando assim contra o governo militar. A Câmara dos Deputados negou a licença para que o deputado fosse processado por este ato.

 

Determinações mais importantes do Ato Institucional Número 5:

 

- Concedia poder ao Presidente da República para dar recesso a Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas (estaduais) e Câmara de vereadores (Municipais). No período de recesso, o poder executivo federal assumiria as funções destes poderes legislativos;

 

- Concedia poder ao Presidente da República para intervir nos estados e municípios, sem respeitar as limitações constitucionais;

 

- Concedia poder ao Presidente da República para suspender os direitos políticos, pelo período de 10 anos, de qualquer cidadão brasileiro;

 

- Concedia poder ao Presidente da República para cassar mandatos de deputados federais, estaduais e vereadores;

 

- Proibia manifestações populares de caráter político;

 

- Suspendia o direito de habeas corpus (em casos de crime político, crimes contra a ordem econômica, segurança nacional e economia popular).

 

- Impunha a censura prévia para jornais, revistas, livros, peças de teatro e músicas.

 

Fim do AI-5 

 

No ano de 1978, no governo Ernesto Geisel, o AI-5 foi extinto e o habeas corpus restaurado. 

 

 

 

Golpe de 1964 só deu certo porque militares tiveram apoio da sociedade civil

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

Historiadores afirmam que Jango sofria uma campanha massiva de desestabilização anos antes do golpe com apoio de empresários, imprensa, setores da Igreja e o governo dos EUA

 

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

Apesar da predominância dos militares no comando da ação que depôs o presidente João Goulart, o golpe de 1964 só foi possível graças à participação da sociedade civil: donos de veículos de comunicação, empresários, setores conservadores da Igreja, o governo dos Estados Unidos, entre outros. Historiadores afirmam ainda que Jango, embora tivesse altos índices de aprovação como presidente, sofria, desde que assumiu o comando do País, uma campanha massiva de desestabilização em rádios, TVs e mídia impressa. A Marcha da Família com Deus pela Liberdade, que levou cerca de 200 mil às ruas de São Paulo contra Jango, mostrava que a estratégia de “ameaça comunista” estava dando certo.

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

 

 

Infográfico: os 10 fatos no Brasil e no mundo antes e depois de 1964

 

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

Violência policial é herança da ditadura: ‘Pau-de-arara está onde sempre esteve'

 

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

50 anos do golpe: os 10 fatos no Brasil e no mundo antes e depois de 1964

 

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

Um dos principais articuladores da parte civil do golpe foi o banqueiro e então governador de Minas Gerais, Magalhães Pinto, junto ao general Castello Branco, então comandante supremo do Exército Nacional. Dez dias antes da queda de Jango, Castello Branco fez um levantamento entre os quartéis em busca de adesões a uma possível ação de resistência contra Jango. Uma semana depois, no dia 28 de março, o governador Magalhães Pinto deu início ao plano, liberando as tropas do general Mourão Filho para marcharem de Juiz de Fora até o Rio de Janeiro, em um movimento que consolidaria o início da ditadura.

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-

O Ipês, que foi comandado pelo general Golbery do Couto e Silva, na época oficial de segundo escalão do exército, existiu até 1972 quando, já esvaziado de doações, fechou suas portas. Sua principal herança foram as cerca de 3 mil fichas que seus mais de 400 pesquisadores fizeram sobre as principais lideranças suspeitas da esquerda brasileira. Golbery levou esse material para o Serviço Nacional de Inteligência (SNI), criado logo após o golpe.

Denise diz que o Ipês era um “eufemismo para o grupo conspiratório que se formou para tramar a derrubada de Jango”. Em seu estudo, ela aponta que em apenas uma ação, a vinculação de 15 filmes para criar a insegurança na população, entre 1962 a 1964, foram pagos 450 mil cruzeiros semanalmente a 13 canais de TV. “Os jornais e televisões receberam muito dinheiro, mas depois a própria mídia cedeu espaço. Todos os veículos de comunicação apoiaram o golpe, com exceção do ‘A Última Hora’, que foi fechado porque era o único veículo que apoiava o Jango”, explica.

Golpe de 1964: veja imagens de resistência e repressão:

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

Para o historiador Carlos Fico, o apoio dos veículos de comunicação foi “absolutamente determinante” para a queda de Jango

 

Antes da tomada militar do poder, entretanto, grupos organizados de empresários, industriais, representantes da Igreja e donos de veículos de comunicação se articulavam desde 1961 em uma campanha intensiva de desestabilização de Jango, com receio de que o governante populista, conhecido pelo aumento de 100% do salário mínimo enquanto ministro do Trabalho de Getúlio Vargas, criasse uma república sindicalista. Contra essa ameaça, empresários fincaram no Rio e em São Paulo as sedes do Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais, o Ipês.

 

Anos de chumbo: Militares mantêm silêncio e ainda chamam golpe de revolução

Golpe de 1964: Fantasmas da ditadura ainda assombram o Brasil após 50 anos

Coronel admite torturas e mortes: 'Cumpri meu dever e não sei quantos matei'

 

O grupo, financiado por 95 empresas e 125 doadores físicos, promovia massiva propaganda contra o governo por meio de cursos, palestras, propaganda em revistas e superproduções televisivas contrárias ao governo. “Não tinha a expressão ‘Fora Jango’, mas tinha um discurso de insatisfação fortíssimo contra seu governo”, explica Denise Assis, jornalista e pesquisadora da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro. Cinco empresas contribuíram com 70% da receita do instituto: Listas Telefônicas Brasileiras, Light, Cruzeiro do Sul, Refinaria e Exploração de Petróleo União e Icomi.

 

O Ipês, que foi comandado pelo general Golbery do Couto e Silva, na época oficial de segundo escalão do exército, existiu até 1972 quando, já esvaziado de doações, fechou suas portas. Sua principal herança foram as cerca de 3 mil fichas que seus mais de 400 pesquisadores fizeram sobre as principais lideranças suspeitas da esquerda brasileira. Golbery levou esse material para o Serviço Nacional de Inteligência (SNI), criado logo após o golpe.

Denise diz que o Ipês era um “eufemismo para o grupo conspiratório que se formou para tramar a derrubada de Jango”. Em seu estudo, ela aponta que em apenas uma ação, a vinculação de 15 filmes para criar a insegurança na população, entre 1962 a 1964, foram pagos 450 mil cruzeiros semanalmente a 13 canais de TV. “Os jornais e televisões receberam muito dinheiro, mas depois a própria mídia cedeu espaço. Todos os veículos de comunicação apoiaram o golpe, com exceção do ‘A Última Hora’, que foi fechado porque era o único veículo que apoiava o Jango”, explica.

Golpe de 1964: veja imagens de resistência e repressão:

Estudantes protestam contra o golpe militar no centro de São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Nas imagens, aparece o então líder estudantil José Dirceu. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
O movimento estudantil foi responsável por muitas ações de protesto em oposição ao regime militar. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Os estudantes também tiveram apoio de alguns partidos e organizações políticas. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
O auge dos protestos contra o regime militar foi o ano de 1968 . Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Em 1968, houve a “Passeata dos Cem mil”, a “Batalha da Rua Maria Antonia” e o Congresso da UNE em Ibiúna. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Na luta contra o regime, o movimento estudantil assumiu postura mais partidária . Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
‘Abaixo a ditadura’ e ‘Só o povo armado derruba a ditadura’ eram algumas das palavras de ordem usadas. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Logo que se instaurou o golpe, várias universidades foram invadidas. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
A luta estudantil contra a ditadura militar  se intensificou em 1966. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Em 1966, a UNE decreta em 22 de setembro o Dia Nacional de Luta contra a Ditadura. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes infiltrados se passavam por estudantes para relatar as atividades de movimentos estudantis para a ditadura militar. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Estudantes saíram às ruas em vários Estados e foram violentamente reprimidos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Os estudantes viraram uma grande força de combate à ditadura. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Estudantes eram duramente reprimidos por agentes da ditadura. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
O auge das manifestações foi em 1968. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
A  repressão perseguiu os líderes estudantis para conter  o avanço do movimento. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Na luta contra o regime, o movimento estudantil assumiu postura mais partidária . Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Em 1966, a UNE decreta em 22 de setembro o Dia Nacional de Luta contra a Ditadura. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
O movimento estudantil foi responsável por muitas ações de protesto . Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
“Abaixo a Guerra do Vietnã!” também era um grito de guerra na época. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes infiltrados se passavam por estudantes para relatar as atividades de movimentos estudantis para a ditadura militar. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes infiltrados se passavam por estudantes para relatar as atividades de movimentos estudantis para a ditadura militar. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Agentes da inteligência da ditadura militar acompanhavam de perto os militantes estudantis das escolas e universidades. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Fotos mostram a repressão à ocupação da Faculdade de Filosofia da USP, em São Paulo, pelos estudantes. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagens mostram o trabalho dos serviços de inteligência da ditadura militar, que acompanhava de perto as atividades de grupos considerados subversivos. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Imagem de dossiê sobre Luís Carlos Prestes pelo Serviços de inteligência da ditadura militar. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Serviços de inteligência da ditadura militar acompanham o líder Luis Carlos Prestes, líder do Partido Comunista Brasileiro. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Serviços de inteligência da ditadura militar acompanham o líder Luis Carlos Prestes, líder do Partido Comunista Brasileiro. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Serviços de inteligência da ditadura militar acompanham o líder Luis Carlos Prestes, líder do Partido Comunista Brasileiro. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Serviços de inteligência da ditadura militar acompanham o líder Luis Carlos Prestes, líder do Partido Comunista Brasileiro. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Serviços de inteligência da ditadura militar acompanham o líder Luis Carlos Prestes, líder do Partido Comunista Brasileiro. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Serviços de inteligência da ditadura militar acompanham o líder Luis Carlos Prestes, líder do Partido Comunista Brasileiro. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Serviços de inteligência da ditadura militar acompanham o líder Luis Carlos Prestes, líder do Partido Comunista Brasileiro. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Carlos Lamarca, um dos líderes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), guerrilha armada que combatia a ditadura militar. Foto: Arquivo pessoal
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Trabalhadores fazem comício no dia do Trabalho, em 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Trabalhadores fazem comício no dia do Trabalho, em 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Trabalhadores fazem comício no dia do Trabalho, em 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Trabalhadores fazem comício no dia do Trabalho, em 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Trabalhadores fazem comício no dia do Trabalho, em 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Trabalhadores fazem comício no dia do Trabalho, em 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
Registros da ditadura mostram trabalhadores protestando no 1º de maio de 1968 na praça da Sé, em São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

Estudantes protestam contra o golpe militar no centro de São Paulo. Foto: Arquivo Brasil Nunca Mais
1/80

 

Popularidade de Jango em alta

Segundo uma pesquisa Ibope recentemente revelada pelo historiador Luiz Antonio Dias, pouco antes do golpe, Jango tinha apoio de 72% da população. Sua proposta de reforma agrária era aprovada por 70% em algumas capitais. Mesmo assim, o golpe foi vitorioso. “Quem derrubou Jango não foi o povo, foi a elite burguesa”, defende Denise. “Empresários e grandes industriais estavam unidos em torno do projeto de um Brasil mais avançado. Eles defendiam a livre iniciativa e o capital, antes do golpe e durante a ditadura.”

A advogada Rosa Cardoso, membro da Comissão Nacional da Verdade e coordenadora do Grupo de Trabalhadores, atribui o sucesso do golpe ao bombardeio de propaganda contra Goulart, associando-o ao comunismo. “Utilizando uma propaganda massiva, eles conseguiram cooptar elementos, conseguiram recrutar militantes entre as mulheres, entre as igrejas católica e protestante”, diz.

Entrevista: 'Luta armada foi um erro', diz ex-combatente da ditadura Cid Benjamin

Artigo: As conexões repressivas do Brasil com as ditaduras no Cone Sul

Para o historiador Carlos Fico, o apoio dos veículos de comunicação foi “absolutamente determinante”. “Diariamente o Goulart era atacado, criticavam e fragilizavam o seu governo, e a partir do início de 1964, sugeriam o afastamento do presidente”, diz. E isso começou a aparecer em manifestações contrárias a Jango, como a Marcha da Família com Deus pela Liberdade, apesar dos seus altos índices de aprovação.

Em seu recém-lançado livro “O golpe de 1964, momentos decisivos”, Fico relata a conspiração que culminou no golpe a partir da campanha de desestabilização de Jango dos anos anteriores. Nela, houve participação decisiva também do governo dos Estados Unidos. “A campanha de desestabilização estendeu-se até as vésperas do golpe de 1964. No dia 20 de março, o United States Information Service (Usis) terminou um relatório planejando gastos de mais de US$ 500 mil com atividades de propaganda em rádio, imprensa escrita e unidades móveis de exibição de filmes, entre outras. Contabilizando-se também os gastos com publicações de livros, ensino de inglês e programas de intercâmbio, chega-se ao valor de US$ 2 milhões", escreve.

Fico também aponta o apoio do Congresso como outro apoiador decisivo para os militares. Na época presidido por Ranieri Mazzili, ele declarou a vacância da Presidência com a movimentação militar. “Vários civis deram efetivamente o golpe”, diz.

Entidades como a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) também contribuíram financeira e logisticamente para a concretização do golpe. À Comissão Municipal da Verdade de São Paulo, o coronel do Exército reformado Erimá Pinheiro Moreira denunciou o suborno do então comandante do 2º Exército, general Amaury Kruel pela Fiesp. Segundo Moreira, que estaria presente durante o suborno, o então presidente da entidade, Raphael de Souza Noschese, teria pago U$ 1,2 milhão (R$ 2,4 milhões, em valores atualizados) para que Kruel, ex-ministro da Guerra de Jango, levasse o 2º Exército à adesão ao golpe. Nos anos anteriores ao golpe, as tropas lideradas por Kruel foram reaparelhadas por industriais para o caso de um possível combate com o 3º exército, articulado com o governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, um dos líderes da resistência pró-Goulart.

Henning Boilesen

Enquanto partes da Igreja e da imprensa que apoiaram o golpe começaram a criticar o caráter ditatorial do novo regime, os empresários que financiaram a caída de Jango se sentiam à vontade com a modernização capitalista em curso no País. Se o banqueiro Magalhães Pinto foi o líder civil do golpe, o empresário dinamarquês Henning Boilesen é o grande destaque entre os civis que patrocinaram a ditadura. Naturalizado brasileiro, Boilesen dividia com os militares o amor ao nacionalismo e o ódio aos comunistas.

Ele colaborou pessoalmente para o sucesso na caça aos subversivos. Presidente do grupo Ultra, Boilesen ajudou a financiar, junto com outros empresários e industriais paulistas, uma das mais cruéis ofensivas da repressão militar, a Operação Bandeirantes (Oban). Inicialmente clandestina, a operação militar financiada por civis funcionava na rua Tutóia, na zona sul de São Paulo, e deu origem ao DOI-CODI. Era lá que Boilesen ia acompanhar de perto as sessões de torturas dos presos políticos, sendo reconhecido por diversos torturados. O nome do empresário ficou eternizado no aparelho qie importou para garantir a eficácia dos interrogatórios: a pianola de Boilesen, que dava choque elétricos em quem apertasse seus botões.

Os caminhões da Ultragás eram usados nas emboscadas preparadas pela Oban, e em troca, a empresa operava com um “capital de giro negativo”, como relata o filho de Boilesen no documentário “Cidadão Boilesen”, dirigido por Chaim Litewski, recebendo gás da Petrobrás para pagar no mês seguinte. O empenho de Boilesen em manter o avanço do capitalismo no Brasil e sua proximidade aos militares rendeu-lhe um assassinato violento por membros da Aliança Nacional Libertadora (ANL) e do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), que o mataram a tiros em São Paulo, em 1971.

Além do Grupo Ultra, diversas outras empresas, indústrias e construtoras ajudaram a manter o regime militar no poder. “Os empresários participaram sempre, participaram em todos os Estados. Havia uma identificação política significativa com os militares, eles achavam que os interesses econômicos deles eram melhores representados pela ditadura”, diz Rosa Cardoso.

O jornalista Jorge José de Melo, estudioso da vida de Boilesen, escreve em artigo para a Comissão da Verdade que a forma de contribuição dos empresários à repressão militar ainda é obscura. “Existem muitas lacunas e dúvidas sobre as condições em que ocorreu essa colaboração e que certamente demandarão outras pesquisas, já que se trata de tema ainda protegido, inclusive, pela ocultação de arquivos oficiais, públicos e privados”, escreve. Melo ressalta que muitos dos conspiradores civis da derrubada de Jango colaboraram com o regime em formas que iam além do financiamento, como na participação em organizações anticomunistas violentas, por exemplo, integrando o Comando de Caça aos Comunistas, o CCC.

O deputado Adriano Diogo, coordenador da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo, diz que é preciso pensar na punição das empresas que lucraram com o golpe ao patrocinar ações de repressão violentas, em “uma analogia com a punição aos crimes militares”. “Cada ditador trazia um grupo de empresas para o Brasil. O golpe militar foi um grande negócio, ganhou-se muito dinheiro. Os empresários e as empresas também devem ser punidas”, defende.

Fonte: Último Segundo - iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-03-29/golpe-de-1964-so-deu-certo-porque-militares-tiveram-apoio-da-sociedade-civil.html?fbclid=IwAR2SgxF9T91jW42BazLCQ0JyiwH6ryhyKCnO1BLcoy1-Q1-QefNRrnS2uI0

 

 

 

 

Pub

 

 

 

https://www.saude.gov.br/

Ministério da Saúde atualiza a situação do novo coronavírus em todo o Brasil

 

 

https://saude.abril.com.br

Saúde é Vital - Medicina, Nutrição, Alimentação, Coração

https://www.saudenatural.info

Produzido pelas abelhas a partir do pólen de diversas flores é um super suplemento natural com grandes benefícios para

saúde. Estes insetos vão formando pequenas bolas a partir da semente masculina das flores a que juntam as suas próprias enzimas digestivas e transportam para a colmeia com o intuito de alimentarem as suas crias.

 

 

Para quem precisa emagrecer, mas prefere os caminhos naturais e seguros, deve mesmo tentar mudar hábitos antigos por uma vida com mais movimento e percepção sobre o que o corpo precisa para ser forte e sadio. Isso pode ser difícil, mas algumas substâncias extraídas da natureza podem dar um empurrãozinho na sua dieta

 

 

 

 

Olá a todos! Vejam o novo navegador CryptoTab! Basta usá-lo como um navegador normal (a ver vídeos no YouTube, a navegar em websites ou redes sociais, etc.) e vai obter rendimentos em BTC ao mesmo tempo, graças ao seu algoritmo de extração

 

Eobot 2019 agora está com dois sistemas para minerar bitcoin o cloud mining ghs 5.0 ou cloud mining ghs 6.0 e nesse vídeo eu vou mostrar como potencializar os dois.

Aqui no play negócios levamos a sério minerar bitcoin e com a eobot 2019 agora com esses dois ghs 5.0 e ghs 6.0 podemos potencializar e você aprender como ganhar dinheiro na internet.

Se você tem interesse em acumular bitcoin com a eobot ghs 6.0 você consegue alguns satoshis por que a eobot como funciona de forma completa conseguimos minerar mais de uma moeda.

E se você for esperto (a ) e notar que o bitcoin 2019 vem em crescimento vai entender que eobot como minerar mais rápido pode ser um bom caminho assista o vídeo e veja a eobot estratégia ou como eu chamo eobot estrategia 2019.

 

Massageador de Fisioterapia e Acupuntura Digital com choque Elétrico Tens

Aplicada com a tecnologia digital, esta unidade transfere os fatores físicos necessários para o corpo humano em digitais precisos. Sinais e realiza terapia global através de computador com base nos requisitos do corpo. Deste modo, a precisão terapêutica pode ser assegurada e a eficácia terapêutica pode ser grandemente melhorada.

Indicações:

• Dores crônicas em geral;
• Distensões musculares;
• Entorses;
• Dores lombares;
• Dores cervicais;
• Bursites;
• Contusões;
• Luxações;
• Artrite;
• Dores abdominais;
• Dores de cabeça;
• Dor de dente;
• Dores Osteoartrítica do joelho;
• Dores nas costas;
• Cirurgias do joelho;
• Dores Lombar;

Efeitos Terapêuticos:
• Melhora da irrigação sanguínea. • Aumento do retorno venoso linfático. • Tônus muscular. • Reeducação do movimento da musculatura. • Melhora da contração muscular voluntária, em caso de dor.

Remédios Naturais

 

Os remédios naturais podem ser a base dos tratamentos de saúde ou servirem como complemento aos medicamentos, cirurgias ou outras atividades. Eles são indicados para tratar, mas também para prevenir doenças e melhorar a qualidade de vida.

Mas se engana quem acha que remédios naturais servem apenas para aliviar sintomas de ansiedade, resfriado ou irritação da pele. Eles também servem para a estética, emagrecimento e saúde mental.

Aqui você pode conferir receitas naturais e dicas de tratamentos caseiros para que você reforce os cuidados com a sua saúde!

 

O chá de amora é conhecido por oferecer muitos benefícios à saúde e bem-estar das pessoas.  A bebida é muito usada por mulheres que estão no período da menopausa e TPM, para pessoas que buscam emagrecer ou para que pessoas com problemas no estômago, atuando como antioxidante. Apesar de haver versões em saquinho (sachê), o […]

 

O óleo de copaíba é uma resina muito conhecida por suas propriedades terapêuticas, sendo utilizado há centenas de anos como um anti-inflamatório e antibiótico natural. Ele é encontrado na árvore copaíba, também conhecida como copaibeira. Essa planta faz parte do gênero Copaifera, que conta com cerca de 30 espécies. Ao contrário da maioria dos óleos […]

 

Existem alguns cuidados e até mesmo remédios que são capazes de diminuir os gases. O primeiro passo é começar pela alimentação, como diminuir o consumo de alimentos que fermentam. Com algumas mudanças alimentares, é possível melhorar todo o processo digestivo e o bem-estar. Durante a refeição, você pode estar ingerindo alimentos que aumentam as chances […]

O que é bom para refluxo? Chás e remédios para o tratamento

 

Para tratar o refluxo gastroesofágico é necessário fazer algumas mudanças nos hábitos, como evitar alimentos que fermentam no estômago, refeições volumosas ou de difícil digestão. Entre os tratamentos farmacológicos, ou seja, aqueles à base de remédios, pode-se usar os antiácidos, os inibidores de bomba de prótons e os protetores gástricos. Eles agem diretamente no estômago, […]

Qual o tratamento caseiro e medicamentoso para ácido úrico alto?

 

 

Ginkgo biloba (comprimido, chá): benefícios, como tomar, bula, preço

 

 

Remédio natural para dormir: 6 opções de tratamento caseiro

 

 

O uso de plantas medicinais para o tratamento caseiro ou prevenção de doenças é algo cada vez mais presente na cultura das pessoas que buscam uma vida saudável. Quando falamos em dormir, o uso de algumas plantas calmantes também pode ajudar. Pelos benefícios que podem trazer, o uso de plantas medicinais acaba, muitas vezes, sendo […]

 

Pomadas e remédios caseiros para alergia à picada de mosquito

 

 

As estações mais quentes do ano aumentam a proliferação dos mosquitos. Além de causar incômodos locais, como dor e coceira, a picada de alguns destes insetos também pode transmitir doenças graves (como leishmaniose, febre amarela e dengue) ou gerar reações alérgicas, causando irritações na pele. Pensando nisso, trouxemos algumas opções de tratamentos e dicas para […]

 

Como fazer soro caseiro? Dicas para não errar a receita

 

 

O soro caseiro é uma mistura de água, sal e açúcar que serve para combater os sintomas da desidratação causada por diarreia e/ou vômito. Pode ser usada até mesmo em crianças e animais e é uma maneira de evitar complicações como hiponatremia (falta de sal no organismo). Receita de soro caseiro Ingredientes 1L de água filtrada ou fervida; 1 colher (de […]

 

Tratamentos para herpes genital: antivirais e remédios caseiros

 

 

O herpes genital é uma doença que não tem cura, mas que possui tratamento para evitar a ocorrência de surtos, amenizar os sintomas e para diminuir as chances de transmissão e complicações. No geral, qualquer médico pode fazer o acompanhamento destes pacientes, porém os especialistas mais indicados são o ginecologista, urologista e infectologista. Certos cuidados […]

 

Sobre o Minuto Saudável

Somos uma empresa do grupo Consulta Remédios. No Minuto Saudável você encontra tudo sobre saúde e bem-estar: doenças, sintomas, tratamentos, medicamentos, alimentação, exercícios e muito mais. Tenha acesso a informações claras e confiáveis para uma vida mais saudável e equilibrada.

 

Principais Categorias